Sustentabilidade: como buscar o equilíbrio do bem-estar de colaboradores, meio ambiente e crescimento econômico.

O marco da sustentabilidade foi há quase 30 anos com a publicação, em 1987, do relatório da Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (CMMAD), conhecida como Comissão Brundtland. O conceito “desenvolvimento sustentável” se tornou popular a partir da Conferência das Nações Unidas para o Meio ambiente e Desenvolvimento (CNUMAD) realizada no Rio de Janeiro, em 1992.

Inúmeras empresas estão se adequando a essa realidade e contam com departamentos atentos especificamente em criar planos de desenvolvimento sustentável. Fato é que nos dias atuais, ser sustentável se tornou uma questão de necessidade e para este projeto ser completo precisa ser ecologicamente correto, economicamente viável e socialmente justo, afinal é fundamental que existam recursos para as futuras gerações.

Mas como é possível conseguir um equilíbrio do bem-estar de colaboradores, meio ambiente e crescimento econômico?

Para que exista uma relação sustentável dentro e fora das empresas é preciso que sejam aplicadas ações sustentáveis dentro das organizações, que motivem a mudança de hábitos e de atitudes de seus colaboradores e clientes, assim será possível garantir a continuidade dos recursos que existem hoje. A empresa que deseja adquirir sustentabilidade corporativa, precisa que o capital financeiro, o capital humano e o capital natural estejam interligados e equilibrados.

Com essa nova prática empresarial surgiu o conceito de Tripple Bottom Line (3P – People, Planet, Profit), ou seja o tripé da sustentabilidade – pessoas, planeta e lucro -, e serve de maneira geral (país e planeta), como de forma particular (empresa, casa, comunidade).

People: as empresas têm que pensar no bem-estar e saúde dos funcionários e colaboradores e se preocupar com a influência da atividade econômica na comunidade.

Planet: as empresas e a sociedade precisam pensar em alternativas para diminuir os impactos ambientais e como repor os recursos naturais utilizados.

Profit: as empresas necessitam se conscientizar que é importante lucrar sem devastar.

Aplicar o conceito do 3P não é algo tão simples, requer tempo, amadurecimento e aculturamento dentro das organizações para que se tornem as novas diretrizes. Além disso, é fundamental o envolvimento de todos os colaboradores, pois são eles que refletem quem é a empresa perante a sociedade.

Referência: TecHoje