Toda empresa trabalha com materiais impressos. Para reduzir o custo com eles, a melhor alternativa que o negócio pode adotar é conhecer os tipos de papel. Isso evitará reimpressões e, ao mesmo tempo, permitirá aos times sempre escolher o papel mais adequado para cada documento.

Os avanços das tecnologias de impressão e de criação de materiais gráficos tornaram o mercado muito diversificado. Hoje, negócios contam com materiais para todos os fins. De flyers a relatórios, a companhia pode sempre buscar um tipo de papel mais alinhado com as suas demandas.

Para ajudar você a identificar qual é o melhor para cada caso no seu dia a dia, preparamos a lista abaixo. Continue a leitura e veja os principais tipos de papel existentes!

1. Papel jornal

Este é um tipo de papel simples e barato. Muito utilizado em jornais, é leve, fino e pouco resistente. Porém, funciona bem em grandes impressoras e projetos que precisam focar mais a replicação de uma mensagem do que em sua apresentação.

Afinal de contas, o papel jornal tem acabamento e características de design que são inferiores a tipos de papel como o couché. Em alguns cenários, ele pode ser integrado a impressões com outros tipos de papel. Desse modo, você cria projetos gráficos com materiais versáteis e inovadores.

2. Papel kraft

O papel kraft tem um tom marrom semelhante ao da madeira. Isso ocorre pela ausência de um processo de branqueamento durante a sua fabricação. Resistente, o papel kraft é muito utilizado para fabricar embalagens, caixas e sacolas.

Este tipo de papel aceita impressão e demais processos de acabamento sem grandes dificuldades. Isso permite que ele seja adotado em embalagens de vários tipos. Afinal, soluções como refile e laminação têm sempre um bom resultado com ele.

3. Papel off-set

Este é um tipo de papel uniforme. O papel off-set é fabricado utilizando uma grande quantidade de cola. Desse modo, ele se torna praticamente imune à umidade.

Geralmente, o papel off-set é utilizado em sistemas de impressão off-set. Pode ser encontrado em livros, em folhetos e em revistas e atende ao sistema de cores CMYK.

O papel off-set é semelhante às folhas de papel sulfite. Porém, elas têm maior qualidade e gramatura, que pode variar entre 56 g e 240 g (mas as gramaturas de 90 g e 120 g são mais tradicionais). Ele é fosco em ambos os lados e, por não ter acabamento especial, pode absorver tinta com mais facilidade.

4. Papel revista

Outro tipo de papel que geralmente é utilizado pelos veículos de mídia impressa é o papel revista. Ele tem um acabamento mais sofisticado do que aquele utilizado em jornais. Portanto, o seu custo tende a ser maior.

Uma folha de papel revista é, de certa maneira, uma folha de papel couché com menor gramatura. Assim, ele é mais fino e fácil de manusear. Pode ser utilizado para a exibição de imagens e conteúdos que dependem de um cuidado maior do que aqueles que vão para jornais, por exemplo.

5. Papel couché fosco e couché brilho

O papel couché fosco é um material totalmente revestido. O seu acabamento, como o próprio nome aponta, é de tons sem brilho. O seu uso está relacionado principalmente a catálogos comerciais.

Já o papel couché brilho é um modelo especial com foco em imagens brilhantes. Os seus dois lados são cobertos com um material que dá um brilho especial. Geralmente feito à base de minério, esse tipo de acabamento pode ser impresso em policromia com foco em materiais promocionais ou de divulgação.

O papel couché é mais grosso que outros tipos de papel. Por ter entre 90 g e 350 g, ele é mais resistente e duradouro. Além disso, a superfície lisa dá melhor aparência para as impressões.

6. Papel reciclado

O papel reciclado tradicional é aquele voltado para impressões de documentos comuns. Ele tem um tom pardo e é feito a partir do reaproveitamento de folhas de papel já utilizadas. A partir de um extenso processo de reciclagem, a folha final tem características semelhantes às de uma folha nova branca.

Esse tipo de papel tem gramatura que varia entre 90 g e 120 g. Apesar de ser feito com outros tipos de folhas, pode ser impresso em métodos tradicionais ou até mesmo em hot stamp. Além disso, a sua resistência é semelhante à de outros tipos de papel de uso tradicional, como o off-set.

O investimento em papel reciclado tem ganhado força nos últimos anos. Como empresas têm se esforçado para fazer um uso mais econômico e sustentável dos seus insumos, investir nesse material virou uma tendência. Afinal, ele permite que a empresa mantenha a impressão regular de documentos sem que isso tenha um grande impacto ambiental.

7. Papel fotográfico

Como o próprio nome aponta, o papel fotográfico é utilizado para impressões de fotografias. Ele tem um acabamento que garante a absorção da impressão e a melhor exibição da imagem. Tudo isso mantendo uma superfície lisa e brilhante.

Os papéis fotográficos têm pouca variação de gramatura. O seu maior fator diferencial é o brilho. Ele pode ser glossy (mais brilhante) ou matte (menos brilhante), e a escolha dependerá dos objetivos do fotógrafo.

Toda empresa, em algum momento, precisa imprimir documentos. Mesmo que o negócio já esteja preparado para a Transformação Digital, o uso de papéis ainda é necessário. Nessa hora, saber exatamente qual tipo de material deve ir para a impressora é fundamental.

Afinal de contas, a empresa que tem dificuldades para avaliar a melhor escolha para cada documento pode ter grandes prejuízos. Haverá mais impressões desnecessárias no dia a dia de cada setor. Em longo prazo, isso eleva custos e torna o negócio menos sustentável.

Por isso, saber quais são os tipos de papel existentes e as suas características é tão importante. Esse é o primeiro passo para a empresa ter um manejo de documentos mais organizado e inteligente. Assim, o negócio poderá garantir que qualquer fluxo interno estará alinhado com as demandas do mercado e evitará prejuízos em médio e em longo prazo.

Curtiu a nossa dica? Então, compartilhe já este post para que mais pessoas conheçam a importância do uso de um bom papel!